Veja como ser aprovado em Concursos Públicos

Estas são as últimas notícias:

 

São apresentados 3 tipos de emendas em cabo flexível. Muito bem explicado o procedimento.

.be

Veja como montar uma extensão elétrica, depois faça a sua e coloque seus eletrodomésticos na tomada que desejar. O melhor tutorial que vi no youtube, mesmo que você tenha feito uma extensão antes você pode aprender algo neste tutorial.

 

A montagem apresentada neste vídeo é de uma Fonte de Alimentação DC Ajustável de 0 a 30V e de 2mA a 3A, com proteção. Observem que no primeiro teste não funciona adequadamente porque o autor do vídeo utilizou fonte DC para alimentar a fonte montada, sendo que ela necessita de fonte AC, ou seja, apenas um trafo.

Neste outro vídeo, temos a fonte montada, funcionando adequadamente. Foi feito por outra pessoa.

Pode ser encontrada no Mercadolivre, no link abaixo:

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-720589898-fonte-de-alimentaco-corrente-continua-0-30v-2ma-3a-kit-_JM

Esquema da fonte:

Funcionamento do circuito

No início do circuito, à esquerda, há um transformador baixador de tensão de pelomenos 24 V/3 A, que é conectado aos pinos 1 e 2 do circuito. (a qulidade da saída da fonte é diretamente proporcional à qualidade do transformador utilizado). A tensão  AC do secundário do transformador é retificada pela ponte formada pelos 4 diodos  D1-D4. A tensão DC que sai da pontte de diodos é suavizada pelo filtro formado pelo capacitor C1 e o resistor R1. O circuito incorpora algumas características únicas  que o torna diferente de outras fontes alimentações da classe. Ao invés de usar um arranjo de feedback variável para controlar a ttensão de saída, este circuito usa um amplificador de ganho constante para proporcionar a tensão de referência necessária para a operação estável. A tensão de referência é gerada pela saída do CI  U1.

O circuito opera como segue: O diodo D8 é um zener de 5.6V, que opera em seu coeficiente de temperatura zero. A tensão na saída de U1 é incrementada gradualmente até que o diodo  D8 seja ligado. Quando isto acontece o circuito estabiliza e a tensão zener de referência  (5.6 V) aparece no  resistor R5. A corrente que segue pela entrada não inversora do amplificador operacional é desprezível, sendo que a mesma corrente passa pelos resistores R5 e R6, e, uma vez que os dois resistores têm o mesmo valor a tensão em cada um deles será a metade da corrente encontrada no outro. Desta forma a tensão presente na saída do amplificador operacional  (pino 6 de U1) é 11.2 V, o dobro da tensão de referência gerada pelo zener. O circuito integrado U2 ttem um fator de amplificação constante de aproximadamente 3 X, de acordo com a fórmula  A=(R11+R12)/R11, e eleva a tensão de referência de 11.2 V para aproximadamente 33 V. O  trimmer RV1e o resistor R10 são usados para ajustar a tensão de saída de forma que possa ser reduzida a 0 V.

Outra característica muito importante deste circuito, é a possibilidade de estabelecer a corrente máxima de saída que a fonte pode fornecer, convertendo-a eficientemente de uma fonte de tensão constante para uma fonte de corrente constante. Para tornar isto possível o circuito detecta a tensão existente no resistor (R7)  que está conectado em série com a carga. O circuito integrado responsável por esta função é  U3. A entrada inversora de U3 é próxima de 0 V via R21. Ao mesmo tempo a entrada não inversora do mesmo integrado é ajustada para qualquer tensão por meio de P2.

Vamos assumir que para uma saída de alguns volts, P2 é ajustado de forma que a entrada do integrado esteja em 1 V. Se a carga for incrementada a tensão de aída será mantida constante pela seção do circuito formada com  R7 em série coma a saída, que inclusive, tem um efeito desprezível na medição devido seu baixo valor e porque está localizado fora do loop de feedback que controla a tensão. Enquanto a carga é mantida constante a tensão de saída não é alterada, o circuito se encontra estável. Se a carga é incrementada então a queda de tensão em R7 será tão grande quanto 1 V, IC3 é forçado a entrar em ação e o circuito entra no modo de corrente constante. A saída de U3 está conectada a entrada não inversora de  U2 por D9. U2 é responsável pelo controle de tensão e, já que U3 está conectado à sua entrada o último pode substituir eficazmente a sua função. O que acontece é que a tensão sobre R7 é monitorada e não permite acréscimo sobre o valor estabelecido  (1 V em nosso exemplo) pela redução da voltagem de saída do circuito.

Isto é uma forma efetiva de manter a corrente de saída constante e acurada que permite estabelecer o limite da mesma tão pequena quanto 2 mA. O capacitor C8 serve para incrementar a estabilidade do circuito. Q3 é usado para ligar e desligar o  LED assim que a limitação de corrente seja ativada de forma a fornecer uma indicação visuão da operação do limitador de corrente. Para tornar possível U2 controlar a tensão de saída até chegar a 0 V, é necessário fornecer uma tensão negativa e isto é feito por meio do circuito em volta de C2 e C3. A mesma fonte negativa é usada por U3. Como  U1 está trabalhando em condições fixas ele pode variar de uma fonte positiva até o terra.

A tensão negativa é produzida por um circuito simples que é estabilizado por R3 e D7. Para evitar situações fora de controle no desligamento há no circuito uma proteção em volta de Q1. Assim que a tensão negativa colapsa Q1 remove toda a tensão de saída. Este efeito leva a tensão de saída a zero, logo que o AC é removido protegendo o circuito e os dispositivos conectados à sua saída. Durante a operação normal Q1 está desligado  por meio de R14 mas quando a fonte negativa colapsa o transistor é ligado e força a saída de U2 a baixar. O CI tem uma proteção interna e não pode ser danificado por este curto circuito em sua saída, esta é uma grande vantagem do circuito pelo fato de não necessitar esperar a descarga dos capacitores.

Componentes:

R1 = 2,2 KOhm 1W
R2 = 82 Ohm 1/4W
R3 = 220 Ohm 1/4W
R4 = 4,7 KOhm 1/4W
R5, R6, R13, R20, R21 = 10 KOhm 1/4W
R7 = 0,47 Ohm 5W
R8, R11 = 27 KOhm 1/4W
R9, R19 = 2,2 KOhm 1/4W
R10 = 270 KOhm 1/4W
R12, R18 = 56KOhm 1/4W
R14 = 1,5 KOhm 1/4W
R15, R16 = 1 KOhm 1/4W
R17 = 33 Ohm 1/4W
R22 = 3,9 KOhm 1/4W
RV1 = 100K trimmer
P1, P2 = 10KOhm  linear pontesiometer
C1 = 3300 uF/50V electrolytic
C2, C3 = 47uF/50V electrolytic
C4 = 100nF polyester
C5 = 200nF polyester
C6 = 100pF ceramic
C7 = 10uF/50V electrolytic
C8 = 330pF ceramic
C9 = 100pF ceramic
D1, D2, D3, D4 = 1N5402,3,4 diode 2A – RAX GI837U
D5, D6 = 1N4148
D7, D8 = 5,6V Zener
D9, D10 = 1N4148
D11 = 1N4001 diode 1A
Q1 = BC548, NPN transistor or BC547
Q2 = 2N2219 NPN transistor
Q3 = BC557, PNP transistor or BC327
Q4 = 2N3055 NPN power transistor ou similar
U1, U2, U3 = TL081, operational amplifier
D12 = LED diode

Diodo de proteção ou zener como polarizar

Por: Dantes Alves de Santana